Descuido com lentes causa sérias complicações

Uso prolongado, manutenção e armazenamento incorretos são as principais causas
das complicações oculares, mostra levantamento.

Práticas, discretas, estéticas e cada vez mais confortáveis, as lentes de
contato são usadas por 2 milhões de brasileiros com predominância de mulheres,
segundo a SOBLEC (Sociedade Brasileira de Lentes de Contato, Córnea e
Refrativa). Não é para menos. Elas corrigem desde miopia, astigmatismo e
hipermetropia até a Œvista cansada‚ ou presbiopia, eliminando os óculos de
leitura, sinal inconfundível da idade que a maioria das mulheres não gosta de
revelar. Uma novidade neste setor são lentes para míopes recém lançadas na
Espanha que melhoram a acomodação e a visão de contraste, funções visuais
comprometidas por imperfeições na superfície da córnea e pelo envelhecimento.
Para portadores de astigmatismo e ceratocone o último avanço são as lentes
híbridas que combinam a flexibilidade e conforto das gelatinosas com a
qualidade óptica das rígidas gás-permeáveis.

A má notícia, segundo o oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio
Queiroz Neto, é 2 em cada 10 usuários de lentes têm complicações oculares
causadas pelo uso, manutenção ou armazenamento incorretos. O acompanhamento
de 210 usuários de lentes atendidos nos últimos dois anos pelo especialista,
mostra que o uso abusivo responde por 45% das complicações, alergias por 35%,
contaminação por manutenção e armazenamento inadequados por 20%.

Os primeiros sinais de que algo está errado são olhos vermelhos, dor,
sensibilidade à luz, visão embaçada e sensação de corpo estranho. Em geral, o
desconforto surge de uma hora para outra. Mesmo sendo tolerável, ressalta, o
uso deve ser interrompido imediatamente e a busca de orientação médica é
recomendada.

FALTA DE OXIGENAÇÃO AUMENTA RISCO DE CONTAMINAÇÃO

A maioria das pessoas, afirma, usa lentes gelatinosas hidrofílicas que são
mais confortáveis, mas se hidratam da lágrima e podem causar olho seco. Apesar
de conterem bastante água, observa, estas lentes não melhoram a oxigenação da
córnea que se alimenta do oxigênio vindo do ar. Por contraditório que possa
parecer, embora as lentes rígidas gás-permeáveis sejam desconfortáveis,
permitem melhor oxigenação da córnea. Quem dorme com lentes de contato ou usa
além do tempo prescrito tem até dez vezes mais chance de contrair contaminação
da córnea por bactérias como a acanthamoeba, alerta. O período máximo de uso
permanente é de seis a sete dias, mas as lentes não devem ser usadas durante o
sono porque a produção de lágrima é menor à noite o que aumenta o risco de
ferimento da córnea. Além disso, afirma, a falta de oxigenação pelo uso
prolongado é a maior causa da formação de úlcera corneana que pode levar à
perda da visão.

DEPÓSITOS CAUSAM ALERGIA

Queiroz Neto explica que qualquer substância que fique depositada nas lentes
de contato pode provocar reação alérgica. É o caso das proteínas produzidas
pelos olhos nos casos de má higienização, da umidificação da superfície ocular
com água boricada e da limpeza feita com soro fisiológico. A alergia também
pode ser desencadeada pela toxidade de maquiagem e cremes. Para evitar,
recomenda que a lente seja retirada antes da remoção da maquiagem e no contato
acidental dos cosméticos com a periferia dos olhos.
Um erro comum, comenta, é guardar o estojo das lentes no banheiro. Isso
porque, além da umidade no ar que facilita a proliferação de fungos, o ar de
banheiros contém muitos microorganismos que contribuem com a contaminação.
As principais recomendações para quem opta por lentes são:
Lavar cuidadosamente as mãos antes de manipular as lentes.
Utilizar soluções multiuso tanto na limpeza quanto no enxágüe das lentes e
estojo.
Friccionar as lentes para eliminar completamente os depósitos
Não usar soro fisiológico ou água na higienização
Retirar as lentes antes de remover a maquiagem e quando usar spray no cabelo
Colocar as lentes sempre antes da maquiagem
Guardar o estojo em ambiente seco e limpo
Trocar o estojo a cada quatro meses
Respeitar o prazo de validade das lentes
Jamais dormir com lentes, mesmo as liberadas para uso noturno.
Interromper o uso a qualquer desconforto ocular e procurar o oftalmologista
Retirar as lentes durante viagens aéreas por mais de três horas
Não entrar no mar ou piscina usando lentes.

Fonte: LDC Comunicação